Quito: como se locomover na capital equatoriana

por Thiago Luiz

07 de agosto, 2015

Quito: como se locomover na capital equatoriana

Eu sempre fui a favor do mais prático. Sempre. Então, numa cidade que o taxi é uma mixaria (algo como 1 dólar para cada 5 quilômetros percorridos com taxímetro ligado) iria raramente tomar o transporte público. ERRADO. Por mais que adoro chegar rápido em algum lugar, eu sempre aproveitei mais a viagem ao optar em tomar um transporte público. Claro que se você perguntar se pego ônibus aqui em Floripa, eu te direi que não. Hipocrisia? Talvez... Mas não! Quando viajamos, estamos (teoricamente) fugindo da rotina nas cidades na qual vivemos, então estamos sem pressa e deixamos a vida nos levar. Mas enfim, sem filosofias, eu curto usar transporte público quando viajo para sentir na pele e viver o momento como um nativo.

TROLLER
Plaza Santo Domingo e trolebus ao fundo.

Em Quito, o buraco foi mais embaixo. Na verdade quando cheguei à Quito estava numa fase da viagem que estava com muito receio de taxistas, pois em Bogotá (semanas antes) eu havia passado por uma experiência nada agradável: o paseo millionário. Isso é, fui QUASE vítima de seqüestro relâmpago, porém isso é historia para outro post. Então, ter que negociar com taxista e disfarçar meu espanhol (principalmente em Bogotá) era algo que eu já estava com saco cheio, porém em Quito há taxímetros e você só precisa se preocupar pelo trajeto que o camarada taxista está tomando (quanta neura, né?).

Na capital equatoriana, fiquei na casa de amigos e quando comentava que iria de ônibus para algum lugar, eles já me questionavam o porquê não pegar taxi, por ser extremamente barato. Eles, já morando um ano na cidade, nunca haviam tomado o transporte público, porém, havia outro motivo: a insegurança. O meu Lonely Planet Ecuador  alertava para furtos dentro dos trolebuses, mas eu pensei: pra quem viveu em Bogotá por um mês e não teve seu iPhone roubado no TransMilenio, iria tirar de letra. ERRADO! No meu último dia, fui roubado no trólebus no meu último trajeto: para casa. E de forma assustadora. Eu, por ter morado em Bogotá, era super cauteloso e cuidadoso dentro do transporte público. Bolsa e carteira na frente do corpo, mas mesmo assim, eles foram espertos e ligeiros: com um estilete, rasgaram duas vezes minha bolsa e levaram minha carteira. Minha sorte que não havia nada demais nela, somente alguns pesos colombianos (80 reais) e carteirinhas brasileiras, como o da UNIMED. Mas foi um baita susto! E me senti meio frustrado e muito chateado com a situação, com vontade de largar a viagem e voltar pra Brasil. E foi justo no dia que iria para Baños.. Então imagina minha empolgação. Porém, o post é pra comentar sobre o “ir e vir” em Quito.

carteira
Estrago na minha bolsa feito dentro de um trólebus.

@Trolebus É um ônibus elétrico movido por eletrecidade e transmitida por cabo aéreo suspenso sobre o seu trajeto em vias públicas convencionais (pneus e asfalto). Em Quito há tanto trólebus como ônibus convencionais, que eles o chamam de Metrobus. Na cidade existem 4 principais trechos (corredores) para transporte publico: a linha para os trólebus se chama Trole, já as linhas Ecovía, Sur Oriental, Central Norte e Sur Occidental são abastecidas pelos ônibus. Os trólebus são menores comparados aos ônibus convencionais (alguns modelos BRT), limitando o espaço. O engraçado do sistema de transporte é que os motoristas tem um microfone e são eles que avisam que a porta vai fechar e reclamam se o povo está empacando. Por ter embarque/desembarque em terminais, não há trocadores e as passagens custam 0,25 cents de dólar. Tanto os trólebus e os ônibus, são alimentados por terminais, porém não é o mesmo para ambos os sentidos. É um terminal para cada lado, isto é, o que vai pro norte e outro pro sul (dã). Não preciso nem dizer que é para ter cuidado, né?

trole
Trolebus e seu "ponto". Fonte: Adriana Arbeloda, aqui.

Ah, em todos os terminais há um mapa da cidade e sinalização das linhas. Eles separam por terminais “chaves” ou troncales, possibilitando assim, você mudar a via ou o sentindo da sua viagem. Fique atento e com um bom mapa não tem como se perder. É divertido!

Metrobus-Q-map.svg

Mapa do sistema Metrobus-Q de Quito.

trole_1
Principais linhas e suas direções.

@Busetas São os nossos microônibus e atendem a cidade pelas avenidas principais. Para saber o destino dos microônibus você deve ler o que está escrito no painel da frente. Alguns param ao levantar o braço, porém existem pontos de ônibus nas avenidas principais.  Não sei quanto custa pois não o utilizei.

 Buseta
Buseta.

@Taxi Como já falei, a melhor opção em Quito. Super barato. Um trajeto de 32 quilometros (até o terminal de ônibus Quitumbe) me custou 9 dólares. Ao contrário de Bogotá, aqui é seguro pedir taxi no meio da rua, levantando a mão. Porém, sempre utilizei o Easy Taxi. Uma mão na roda. Então, não seja muquirana e use & abuse do taxi na cidade. A noite, sempre opte pelo taxi.



Comente aqui

Thiago Luiz

Thiago Luiz, 30 anos, servidor público na área de engenharia. Um apaixonado por cidades que ainda não esteve e pelas pessoas que ainda não conheceu!

Mundo Desbravo nas Redes

Facebook

Instagram

Direitos do Autor

Todo o blog MUNDO DESBRAVO está protegido por direitos de autor, exceto quando se indique expressamente o contrário.